Agenda, Notícias, Seminários

Boletim 01/Museus e Patrimônio – RS

Cópia de Valor arrecadado para o projeto da Rádio da Universidade (2)
O País está consternado com a situação de calamidade do Rio Grande do Sul. Além de vidas perdidas, pessoas e animais desabrigados e desalojados, os prejuízos materiais são imensos.
Soma-se a essa tragédia humanitária decorrente da crise ambiental e territorial, as perdas e riscos às instituições culturais mantenedoras dos nossos patrimônios.
O diagnóstico preciso está em andamento pelo Sistema Estadual de Museus nos muitos municípios afetados.
Se a tragédia é imensa, a solidariedade também é.
Instituições como Instituto Brasileiro de Museus (IBRAM), Comitê Brasileiro do Conselho Internacional de Museus (ICOM Brasil), Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN) e Laboratório de Conservação e Restauração (UFSC) ofeceram a ajuda técnica imprescindível nesse momento.
Além do apoio institucional, muitos profissionais cadastraram-se como voluntários para auxiliar.
Desde o início da tragédia, o Programa de Pós-Graduação em Museologia e Patrimônio da Universidade Federal do Rio Grande do Sul acompanha e toma medidas para socorrer pessoas e apoiar as ações em curso.
Esse Boletim surgiu da parceria com SPH/UFRGS e da necessidade de reunir informações sobre a situação específica dos museus e patrimônios do Rio Grande do Sul.
Por favor, divulgue e faça chegar ao maior número de leitores esse conteúdo.
Se você tiver informações não contempladas aqui, por favor, nos avise.
Juntes somos mais fortes!
Voluntários podem se cadastrar para a recuperação de arquivos e museus do RS
Sedac cadastra profissionais e empresas para atuação em instituições atingidas por enchentes
Duas frentes de cadastramento de profissionais Voluntários foram abertas no Estado: uma específica para arquivos (APERS) e outra para museus (SEM/RS).
Além de profissionais do Rio Grande do Sul, colegas de outros estados se colocaram à disposição para ajudar.
Em tragédias que atingem os bens culturais é fundamental o apoio profissional para evitar descartes inapropriados e ações de leigos que possam intensificar os danos.
O Cadastro de Voluntários SOS museus conta com 401 pessoas cadastradas, das quais 266( 66,3%) são especialistas, a maioria para orientação online. O Sistema Estadual de Museus está direcionando especialistas, em geral restauradores, para orientar os trabalhos de resgate, de modo a preservar os acervos atingidos de manejos inadequados, assim como orientar os primeiros tratamentos.SOS Rio Grande do Sul (voltado a Arquivos, lançado pelo Arquivo Público do RS)SOS Museus (voltado a Museus e outras instituições, lançado pela SEDAC e que contará com orientação do Instituto Brasileiro de Museus (IBRAM)). Cadastre-se!
SOS ARQUIVOSSOS MUSEUS
Museus do Centro Histórico de Porto Alegre
Antes de as águas começarem a subir e inundar o Centro Histórico de Porto Alegre, direções e equipes dos museus ali localizados tomaram providências para deslocar suas coleções para os andares superiores das edificações. Isso ocorreu no MARGS, na Pinacoteca Aldo Locatelli e Musecom. A notícia sobre a calamidade em Porto Alegre e a situação do acervo do MARGS repercutiu na imprensa Latinoamericana. A matéria pode ser lida no botão abaixo.Ler maisDesign sem nome (7)
Relatório mapeia prejuizos ao setor cultural por conta das enchentes
Design sem nome (5)
Documento baseia-se nas respostas à enquete “Como o teu trabalho foi afetado pelas enchentes de maio de 2024 no RS”, uma iniciativa da Voz Cultural, Festipoa Literária, Instituto de Cultura da PUCRS e Matinal, com apoio do Comitê Liberart RS – Programa Nacional dos Comitês de Cultura, Comissão de Educação, Cultura, Desporto, Ciência e Tecnologia da AL-RS e Conselho Municipal de Cultura de Porto Alegre.Acesse o Relatório
Associação dos Amigos do Museu de Porto Alegre monitora acervo arqueológico
Segundo a Associação dos Amigos do Museu de Porto Alegre Joaquim José Felizardo (AMUPOA), as águas atingiram parte do Bairro Cidade Baixa, inclusive a Rua João Alfredo (antiga Rua da Margem do Riacho), onde está localizado o Museu. As águas ainda não baixaram o suficiente para permitir a entrada no Solar Lopo Gonçalves, sede do Museu. Contudo, as imagens fotográficas indicam que as águas subiram a uma altura de 1 metro.Design sem nome (9)
Parte do acervo arqueológico acondicionadano porão da casa ficou submersa. Por orientação do IPHAN, via Sistema Estadual de Museus (SEM/RS), espera-se que as águas baixem para ser viável o salvamento desse relevante patrimônio nacional.

Foto: Rafael Gloria
CONTATOVÍDEO INÍCIOVÍDEO 15/05
Acervo da Presidente Dilma Roussef foi atingido pelas cheiasA jornalista Monica Bergamo noticiou a inundação que atingiu o acervo da ex-presidente Dilma Rousseff (PT), guardado no Rio Grande do Sul, gerou consternação entre pessoas que cuidaram dos presentes recebidos pela petista à época em que ela ocupava a Presidência da República, entre 2011 e 2016.
Como revelou a coluna, os itens estavam armazenados em um galpão do MST (Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra) no estado gaúcho, arrasado pelas fortes chuvas e enchentes. O espaço está localizado na cidade de Eldorado do Sul, que teve mais de 90% de seu território alagado.Pessoas familiarizadas com o conteúdo ouvidas pela coluna afirmam que podem ter sido perdidos ou danificados presentes de autoridades como o hoje presidente dos EUA, Joe Biden, uma carta enviada pela rainha Elizabeth 2ª, quadros e esculturas de artistas como Francisco Brennand e Romero Britto, tapetes cedidos por embaixadas, medalhas, condecorações e mapas, entre outros conteúdos.
O acervo de Dilma está dividido em quatro contêineres, sendo que dois deles estão em contato direto com o chão e podem ter sido mais afetados, enquanto os outros dois encontram-se empilhados. Estima-se que há neles cerca de 3.000 itens, sem contar correspondências e livros.
Mais do que uma perda material, parte dos bastidores da história da República pode ter sido perdida ou estar encharcada neste momento, afirmam técnicos que trabalhavam no Palácio do Planalto durante o governo da petista e cuidavam do acervo.Ler mais
Guia traz orientações para a salvaguarda de acervos e coleções
Design sem nome (8)
Grupo de museólogas, coservadoras e restaurdoras desenvolve guia com orientações emergenciais para a salvaguarda de acervos e coleções museólogicas com foco na catástrofe ambiental que assola o estado doRio Grande do Sul.

Acesse o Guia
Doação e Captação de Materiais para Tratamento de Acervos
A empresa Led Encadernadora, localizada em Sorocaba/SP, está contatando fornecedores e empresas parceiras para angariar doações de insumos destinados à recuperação dos acervos atingidos pelas enchentes no estado do Rio Grando do Sul. O PPGMusPa chancela por meio de ofícios essas solicitações às empresas em parceria com SEM/RS e a referida empresa. Até o momento, está confirmada a doação de 3.000 folhas de papel jornal.Design sem nome (12)
A doação foi feita pela Led Encadernadora com colaboração da Labate Papéis. Além de insumos para tratamento de acervos, necessitamos de equipamentos de segurança para profissionais voluntários: botas, capacetes, jalecos, luvas. Se sua empresa puder colaborar entre em contato conosco pelo seguinte WhatsApp (51) 993037269
LABCOM-UFSC faz lives gratuitas sobre resgate de acervos
PARA-LABCON
Se você faz parte da Rede de Apoio para recuperação de acervos do RS, ou se tem interesse em colaborar com esta frente, não deixe de participar da Ação Emergencial de Orientações e Instruções para início do resgate dos acervos!
Serão 3 lives gratuitas e abertas, transmitidas no Canal do Youtube do Labcon-UFSC e que permanecerão disponíveis após o evento.Ler mais
SÃO LEOPOLDO: Museu Histórico Visconde de São Leopoldo é atingido pelas cheias
Design sem nome (10)
As águas que invadiram o Museu Histórico Visconde de São Leopoldo, subiram mais de um metro e danificaram itens do acervo: documentos, móveis de época, um piano usado em recitais, os artigos da livraria, um harmônio raro que havia acabado de ser doado por um pastor e sua esposa.

Ler mais
MONTENEGRO: Museu de Montenegro teve seu acervo danificado
Uma força-tarefa composta por voluntários, organizados pela Diretoria de Patrimônio Histórico e Cultural de Montenegro, trabalha na recuperação dos acervos do Museu Histórico Nice Antonieta Schüler e do Arquivo Histórico Maria Eunice Kautzmann.

Ler maisWhatsApp Image 2024-05-15 at 12.56.20
IGREJINHA: Museu, biblioteca e arquivo de Igrejinha foram inundados
Design sem nome (13)Arquivo foi totalmente perdido. Ações de salvamento estão em curso para o Museu e parte da biblioteca.
MUSEÓLOGOS E ESTUDANTES DE MUSEOLOGIA PERDERAM TUDO NAS CHEIAS
Você ainda pode ajudar os discentes e egressos do curso de Museologia da UFRGS afetados pelas enchentes. As doações devem ser realizadas pela chave PIX estudantesmuseors@gmail.comEssa uma iniciativa do corpo docente da Museologia UFRGSDesign sem nome (3)
      Cancelar assinatura | Gerencie suas assinatura
Av. Paulo Gama, 110 – Campus Centro
Tel.: (51) 3308-4500