Agenda, Notícias, Seminários

Museus a céu aberto como agentes de preservação e valorização do patrimônio cultural: uma análise do papel da gestão na transformação da paisagem urbana

url: https://www.revistas.usp.br/anaismp/article/view/214879

DOI:  https://doi.org/10.11606/1982-02672024v32e17

Palavras-chave: Museus a céu aberto, Paisagem Urbana, Patrimônio cultural, Preservação, Gestão


BIOGRAFIA DO AUTOR

  • Isabel Cristina Ferreira Ribeiro, Universidade Federal do Rio de JaneiroIsabel Cristina Ferreira Ribeiro é arquiteta e urbanista, paisagista, mestre e doutora em Ciências da Arquitetura. Sua pesquisa situa-se na área de Restauração e Gestão do Patrimônio junto ao Programa de Pós-graduação em Arquitetura da Universidade Federal do Rio de Janeiro (PROARQ-UFRJ). Integra os Grupos de pesquisa “Estudos de Arquitetura de Museus” (UFRJ), “Rede de Pesquisa em Arquitetura de Museus e Patrimônio” (UFRJ) e “A preservação de acervos escultóricos em museus” (EBA-UFRJ). E-mail: isabel.ribeiro@fau.ufrj.br.

RESUMO

Este artigo analisa o papel dos museus a céu aberto na preservação e valorização do patrimônio cultural e sua capacidade de transformar a paisagem urbana. Essas instituições são importantes agentes de preservação da cultura e história, promovendo a identidade cultural das cidades. A metodologia envolveu consultas a documentos técnicos, pesquisa bibliográfica e documental. Os museus a céu aberto proporcionam uma experiência única aos visitantes, permitindo o contato direto com as obras em um ambiente natural. A gestão dessas instituições é essencial para garantir a preservação do patrimônio cultural e a proteção da paisagem urbana. Nesse sentido, é importante que as autoridades locais e as comunidades estejam envolvidas na gestão dessas instituições, a fim de promover a preservação e valorização do patrimônio cultural. Com isso, busca-se fornecer compreensão mais ampla do papel dos museus a céu aberto na transformação da paisagem e na promoção da identidade cultural das cidades.

REFERÊNCIAS

Livros, artigos e teses

ANICO, Marta. A pós-modernização da cultura: patrimônio e museus na contemporaneidade. Horizontes Antropológicos. Porto Alegre, v. 11, n. 23, p. 71-86, 2005.

ARANTES, Otília (2000). O lugar da arquitetura depois dos modernos. 3. ed. São Paulo: Edusp, 2000.

BENJAMIN, Walter. Espaços que suscitam sonho, museu, pavilhões de fontes hidrominerais. Revista do Patrimônio: Museus, Antropofagia da Memória e do Patrimônio, Brasília, DF, nº 31, p. 133-147, 2005.

BERTRAND, Georges. Paisagem e geografia física global. Esboço metodológico. Revista Ra’e Ga: O Espaço Geográfico em Análise, Curitiba, n. 8, p.141-152, 2004.

BORGES, Luiz Carlos. O Inhotim que o outro Inhotim engoliu: museu, silêncio e transfiguração de memórias. In: Encontro nacional de pesquisa em ciência da informação, 16., 2015, João Pessoa. Comunicação oral. João Pessoa: N/a, 2015. p. 1 – 20. Disponível em: https://bit.ly/3TZ8x8X. Acesso em: 3 set. 2017.

BOTECHIA, Flávia Ribeiro. A forma indelével: estudos morfológicos sobre a persistência elementar em Maruípe. 2017. Tese (Doutorado em Arquitetura e Urbanismo) – Universidade Presbiteriana Mackenzie, São Paulo, 2017.

BRANDÃO, Inês Fialho. O que significa hoje a função social dos museus? Boletim Icom Portugal, Lisboa, v. 3, n. 7, p. 22-23, 2016.

CÂNDIDO, Manuelina Maria Duarte. Ondas do pensamento museológico brasileiro. Lisboa: ULHT, 2003.

CULLEN, Gordon. Townscape. London: The Architectural Press, 1961.

DAVALLON, Jean; GRANDMONT, Gerald; SCHIELLE, Bernard. L’environnement entre au Musée. Lyon: Presses Universitaires de Lyon, 1992.

DITTMAR, Adriana Cristina Corsico. Paisagem e morfologia de vazios urbanos: análise da transformação dos espaços residuais e remanescentes urbanos ferroviários em Curitiba – PR. 2006. Dissertação (Mestrado em Gestão Urbana) – Centro de Ciências Exatas e de Tecnologia, Pontifícia Universidade Católica, Curitiba, 2006.

EDSON, Gary. Gestão do museu. In: BOYLAN, Patrick J. (org.). Como gerir um museu: manual prático. São Paulo: Secretaria da Cultura do Estado de São Paulo, 2015

GEHL, Jan. Cidades para pessoas. São Paulo: Perspectiva, 2013.

GRANDE, Nuno Alberto Leite Rodrigues. Arquitectura & Não. Lisboa: Caleidoscópio, 2005.

HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. Rio de Janeiro: DP&A. 2006.

JACOBS, Jane. Morte e vida de grandes cidades. São Paulo: Martins Fontes, 2000.

KONSTANTIOS, Dimitrios; KONSTANTIOS, Nikolas; TSOMBANOGLOU, Liana. A manual for museum managers. Department of Culture and Cultural Heritage, Directorate General IV – Education, Culture and Heritage, Youth and Sport. (DGIV/CULT/STAGE). 2005.

LAMAS, José Manuel Ressano Garcia. Morfologia urbana e desenho da cidade. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2004.

LUCAS, Rosemarie. A origem do ecomuseu nos parques naturais. In: Cândido, Manuelina Duarte; Ruoso, Carolina (orgs). Museus e Patrimônio: experiências e devires. Recife: Editora Massangana/FUNDAJ, 2015. p. 21-38.

LUCHIARI, Maria Tereza Duarte Paes. A (re)significação da paisagem no período contemporâneo. In: CORRÊA, Roberto Lobato; ROSENDAHL, Zeny (orgs.). Paisagem, imaginário e espaço. Rio de Janeiro: EdUERJ, 2001.

LYNCH, Kevin. A imagem da cidade. São Paulo: Martins Fontes, 1997.

MARTIN-BARBERO, Jesús. América Latina e os anos recentes: o estudo da recepção em comunicação social. In: SOUZA, Mauro Wilton de (Org.). Sujeito, o lado oculto do receptor. São Paulo: Brasiliense, 1995. p. 39-68.

MENEZES, Anna Thereza do Valle Bezerra de. Arte contemporânea no museu: um estudo de caso do Instituto Inhotim. 2012. Dissertação (Mestrado em Museologia e Patrimônio) – Centro de Ciências Humanas e Sociais, Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro – UNIRIO e Museu de Astronomia e Ciências Afins – MAST/MCT, Rio de Janeiro, 2012.

NORBERG- SCHULZ, Christian. Genius Loci: paysage, ambiance, architecture. Edition, 2. Publisher, P. Mardaga, 1981.

OLIVEIRA, Vítor Manuel Araújo (ed.). Diferentes abordagens em Morfologia Urbana. Contributos luso-brasileiros. Porto: Feup, 2018.

ROSSI, Aldo. A arquitetura da cidade. São Paulo: Martins Fontes, 1966.

SCHAMA, Simon. Paisagem e Memória. São Paulo: Companhia das Letras, 1996.

SCHEINER, Tereza Cristina. Repensando o Museu Integral: do conceito às práticas. Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi. Belém: Parque Zoobotânico Museu Paraense Emílio Goeldi, 2012.

Sites

CARVALHO, Léa Therezinha Alves de Carvalho. Paisagem – arquitetura – museu: uma relação. Revista Museu, Rio de Janeiro, 2016. Disponível em: https://bit.ly/44UHhv0. Acesso em: 22 fev. 2022.

ICOM. (2016). Museums and Cultural Landscapes. The 24th General conference of the International Council of Museums ICOM, at the MiCo Milano Congressi, Milan. Disponível em: https://bit.ly/442oxbQ. Acesso em: 22 fev. 2022.

ICOM. Recomendação referente à proteção e promoção dos museus e coleções, sua diversidade e seu papel na sociedade. 2017. Disponível em: https://bit.ly/4eidd1D. Acesso em: 14 abr. 2021.

ICOM. (2014). La Carta di Siena. Museos y Paisages Culturales. Disponível em: https://bit.ly/3yVKWNZ. Acesso em: 12 maio 2020.

MENESES Ulpiano Toledo Bezerra de et al. A cidade como bem cultural: áreas envoltórias e outros dilemas, equívocos e alcance da preservação do patrimônio ambiental urbano. [Debate]. Patrimônio: atualizando o debate. São Paulo: IPHAN, 2006. Disponível em: https://bit.ly/3x9rMUz. Acesso em: 16 jan. 2024.